Combinação de métodos ajuda a investigar infertilidade masculina

Publicado em: 01/08/2002
Por:
Fleury Medicina e Saúde

Edição: 2002 - Edição Nº 6 - Boletim
 

Associação da citogenética com a pesquisa de microdeleção do cromossomo Y aumenta a possibilidade de detectar as causas dessa condição.

Acredita-se, hoje, que cerca de 15% dos casais sejam inférteis e que, em 30% a 50% dos casos, a origem do problema esteja no homem. A infertilidade masculina tanto pode ser devida a aberrações cromossômicas quanto a mutações gênicas e microdeleções no cromossomo Y. Assim, a associação da avaliação das possíveis causas, cromossômicas e moleculares, por meio da análise do cariótipo e da técnica de PCR multiplex – para investigação de microdeleções no cromossomo Y – amplia de forma significativa a possibilidade de achar anormalidades.

Em trabalho recente realizado no Fleury, combinando os dois métodos em homens inférteis com oligospermia grave (<5.000.000 espermatozóides/ml) ou azoospérmicos, Kusagari et al encontraram anormalidades em 21% dos pacientes, dos quais 16% foram alterações cromossômicas detectadas pela técnica citogenética e 5%, microdeleções identificadas pela PCR.

A confirmação de uma anomalia genética é útil não só para conhecer o motivo da infertilidade, atenuando o estresse dos indivíduos envolvidos nessa situação, mas também para indicar opções terapêuticas mais apropriadas, hoje amplamente disponíveis.


Cariótipo de paciente com 47,XXY,
com história de infertilidade e sem fenótipo anormal.