Painel molecular para diarreias infecciosas faz pesquisa simultânea de 22 agentes relacionados a esses quadros

Publicado em: 03/12/2018
Por:
​Fleury Medicina e Saúde​​​​​

Edição: 2018 - Edição Nº 3

Considerada, mundialmente, uma das principais causas de óbito em crianças com menos de 5 anos de idade, a gastroenterite, ou diarreia infecciosa, é ocasionada por uma variedade de patógenos, o que, muitas vezes, dificulta a identificação rápida e acurada do agente responsável pelo quadro. Buscando contribuir para melhorar o fluxo de diagnóstico e tratamento desses casos, o Fleury disponibiliza o teste molecular em amostras de fezes por meio da técnica da reação em cadeia da polimerase (PCR) em tempo real multiplex (FilmArray).

O exame tem três particularidades que o diferenciam dos demais recursos usados para diagnosticar diarreias infecciosas: tempo de análise de 70 minutos; pesquisa simultânea de 22 patógenos, dos quais 13 bactérias, cinco vírus e quatro parasitas; e disponibilidade 24 horas por dia nas unidades hospitalares em que o Fleury está presente.

Os estudos que avaliaram essa plataforma demonstraram que a sensibilidade e a especificidade para a detecção de patógenos bacterianos superam os 95%, enquanto, para a identificação de norovírus e rotavírus, tais valores são superiores a 94%. Para detectar parasitas, por fim, o teste mostrou sensibilidade e especificidade acima de 98%.

Na prática, o painel molecular para o diagnóstico de infecções gastrointestinais é uma ferramenta com grande potencial para fundamentar a decisão de implementar ou não terapia antimicrobiana ou antiparasitária, além de permitir o rápido esclarecimento etiológico no contexto de investigações de surtos para adotar com celeridade medidas eficazes de controle.

Exemplar de E. coli O157, aqui revelado por microscopia eletrônica de varredura.Exemplar de E. coli O157, aqui revelado por microscopia eletrônica de varredura.

Patógenos pesquisados pelo teste

Bactérias

  • Campylobacter (C. jejuni, C. coli e C. upsaliensis)
  • Clostridium difficile (Clostridioides difficile)
  • Escherichia coli enteroagregativa (EAEC)
  • Escherichia coli enteropatogênica clássica (EPEC)
  • Escherichia coli enterotoxigênica (ETEC)
  • Escherichia coli O157
  • Escherichia coli produtora de toxina Shiga (STEC)
  • Plesiomonas shigelloides
  • Salmonella sp.
  • Shigella/E. coli enteroinvasora (EIEC)
  • Vibrio (V. parahaemolyticus e V. vulnificus)
  • Vibrio cholerae
  • Yersinia enterocolitica

Parasitas

  • Cryptosporidium sp.
  • Cyclospora cayetanensis
  • Entamoeba histolytica
  • Giardia lamblia

Vírus

  • Adenovírus F 40/41
  • Astrovírus
  • Norovírus GI/GII
  • Rotavírus A
  • Sapovírus (I, II, IV e V)


Assessoria Médica

Dra. Carolina dos Santos Lázari
[email protected]

Dr. Celso F. H. Granato
[email protected]

Dr. Jorge Luiz Mello Sampaio
[email protected]

Dra. Paola Cappellano Daher
[email protected]

​​​​​​​​