Herpes vírus tipo 6, detecção quantitativa do DNA por PCR, plasma

Outros nomes:
HERPESVIRUS 6
HERPES VÍRUS HUMANO 6

Agendamento

Este exame nao necessita ser agendado.

Prazo de Entrega

Em até 5 dias corridos às 18h

Orientações necessárias

- É necessário trazer documento de identidade (RG). - Este exame pode ser realizado em plasma Sangue: - O cliente deve verificar se há restrição de atendimento na unidade em que pretende fazer a coleta.

Processamento e adequação da amostra

Plasma - Centrifugar a 2200 g por 10 minutos a 18 ºC, no máximo, até 2 horas após a coleta. - Aliquotar 1 mL de plasma em tubo plástico estéril. - Congelar a -20 ºC ESTABILIDADE DA AMOSTRA: Temperatura ambiente: não aceitar Refrigerada (2-8ºC): até 7 dias Congelada (-20ºC): até 30 dias

Método

- Reação em Cadeia da Polimerase em tempo real (PCR em tempo real)

Valor de referência

- Inferior a 250 cópias/mL

Interpretação e comentários

O HHV-6 foi descrito originalmente em pacientes com doença linfoproliferativa e HIV, e subsequentemente foram caracterizados dois subtipos: HHV-6B, agente etiológico do exantema súbito, e HHV-6A, raramente associado à doença. Aproximadamente 40% a 50% das crianças são infectadas até o segundo ano de vida, com pico de incidência observado na faixa de 9 a 21 meses. Cerca de 90% das crianças são sintomáticas na fase aguda. A infecção congênita usualmente ocorre em 86% dos casos devido à incorporação do genoma viral em células germinativas. O alvo primário do HHV-6 são os linfócitos T CD4+, mas o vírus infecta também os linfócitos B e células NK, macrófagos e células do sistema nervoso. O vírus permanece latente em células hematopoiéticas CD34+, monócitos e macrófagos e provoca infecção persistente em células das glândulas salivares. O período de incubação da doença é de uma a duas semanas. Em cerca de 90% dos casos há irritabilidade, febre (em média 39,6ºC) e rinorreia. Nos Estados Unidos aproximadamente 25% dos pacientes com HHV-6 apresentam exantema súbito, enquanto no Japão esse número chega a 75%. O vírus pode causar encefalite e meningite, correspondendo a até 6% desses casos em crianças. Alguns relatos de casos ainda o associam a hepatite fulminante, púrpura trombocitopênica, miocardite e síndrome hemofagocitária. Uma vez que a reativação do HHV-6 ocorre frequentemente em pacientes transplantados, a pesquisa quantitativa do DNA no sangue é um dos testes mais úteis para avaliação da atividade da doença. Cargas virais em ascensão ou muito elevadas no geral indicam atividade da doença. Normalmente, a reativação cursa com febre e rash cutâneo precoce após o transplante e demora na pega do enxerto em indivíduos que receberam transplante de medula óssea. A detecção de HHV-6 no liquor é extremamente sugestiva de infecção do sistema nervoso central, mas outros agentes devem ser excluídos antes de um diagnóstico definitivo, pois dados de autópsia mostram a presença concomitante de outros agentes. A presença do vírus pode ser detectada em amostras de liquor de crianças anos após a infecção aguda.

Dias de Medicamento

0

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (11) 3179-0822

Preços e Pagamento Particular

Sabia que o Fleury oferece parcelamento em até 6x sem juros e condições especiais para pagamento particular para os médicos cadastrados?

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: (11) 3179-0822