Proteína C Reativa, plasma

Agendamento

Este exame nao necessita ser agendado.

Prazo de Entrega

Em até 8 horas

Processamento e adequação da amostra

- Centrifugar a 2200 g por 10 minutos a 18 ºC *** - Não aliquotar; - Enviar à área técnica em temperatura ambiente. Estabilidade da amostra: Temperatura ambiente: 8 horas; Refrigerada(2-8 ºC): 7 dias; Congelada(-20 ºC): 3 meses. ***Obs: Para Hospitais a centrifugação pode ser realizada a 18°C em 2.200 g durante 06 minutos.

Método

- Imunoensaio turbidimétrico.

Valor de referência

Indicador de risco cardiovascular Abaixo de 0,1 mg/dL: risco baixo De 0,1 e 0,3 mg/dL: risco intermediário Acima de 0,3 mg/dL: risco aumentado Indicador de processos infecciosos e/ou inflamatórios De 1,0 e 5,0 mg/dL: encontrado em infecções virais e processos inflamatórios leves De 5,1 e 20,0 mg/dL - encontrado em infecções bacterianas e processos inflamatórios sistêmicos Acima de 20,0 mg/dL - encontrado em infecções graves, grandes queimados e em politraumatismo

Interpretação e comentários

Como proteína de fase aguda - A proteína C reativa (PCR) é uma das principais proteínas de fase aguda, pois sua concentração pode aumentar precocemente de 10 a 100 vezes nas primeiras 24 horas de processos infecciosos e inflamatórios, infarto do miocárdio, neoplasia, etc. Esse marcador tem utilidade no seguimento terapêutico das doenças reumáticas, principalmente na febre reumática, na qual seu reaparecimento pode sugerir nova agudização do processo, e nas vasculites sistêmicas, nas quais pode servir de parâmetro para o acompanhamento do tratamento. Em algumas circunstâncias, a dosagem de PCR pode ser usada para discriminar processo infeccioso bacteriano, quando está elevada, de processo infeccioso viral, quando permanece em níveis baixos. Como indicador de risco para doença cardiovascular - Devido à sua alta sensibilidade (limite de detecção de 0,03 mg/dL), a dosagem de PCR ultra-sensível pode ser utilizada para avaliar o risco cardiovascular de forma independente dos outros fatores de risco já conhecidos. Hoje se sabe que metade de todos os infartos do miocárdio ocorre em pessoas com níveis normais de lipídios. Vários estudos têm mostrado que o risco aumentado se associa com níveis de PCR superiores a 0,11 mg/dL, o que está relacionado com as evidências recentes de que a aterosclerose é, em parte, uma doença inflamatória. De qualquer modo, quando combinada a outros exames, como a relação colesterol total/HDL-colesterol, a dosagem de PCR ganha um efeito aditivo, aumentando consideravelmente o valor preditivo do cálculo do risco. O fato é que a PCR é considerada atualmente o marcador independente mais forte, superando a apolipoproteína B-100 e a homocisteína, entre outros. O achado de valores elevados, acima de 0,3 mg/dL, quando usada para a finalidade de determinação de risco cardiovascular, deve ser confirmado por nova dosagem em três a seis semanas, para afastar a existência de um processo inflamatório ou infeccioso subjacente

Orientações necessárias

- Este exame não necessita preparo.

Dias de Medicamento

0

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (11) 3179-0822

Preços e Pagamento Particular

Sabia que o Fleury oferece parcelamento em até 6x sem juros e condições especiais para pagamento particular para os médicos cadastrados?

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: (11) 3179-0822