Cérebro, o melhor amigo do homem | Revista Fleury Ed. 13

A mente exerce grande influência sobre nosso comportamento. Por essa e outras razões, é preciso cuidar bem dela, alerta a neurocientista Suzana Herculano-Houzel

Desde que começou a fazer um importante trabalho de divulgação das descobertas da Neurociência, há quase dez anos, Suzana Herculano-Houzel tem surpreendido ao tratar de temas aparentemente inusitados para uma cientista, como a importância de cultivar a felicidade, o sorriso e os prazeres ou a harmonia entre corpo e mente. Professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com pós-graduação em instituições dos Estados Unidos, da França e da Alemanha, esta carioca de 35 anos desenvolveu o talento de explicar ao público em geral qual o papel do cérebro em nosso cotidiano e por que devemos agir como verdadeiros amigos dele, tratando-o bem diariamente. Esses e outros conhecimentos podem ser conferidos em livros como Fique de Bem com Seu Cérebro e O Cérebro Nosso de Cada Dia, além do site de mesmo nome (www.cerebronosso.bio.br). Na entrevista a seguir, ela fala da influência da mente sobre o comportamento, das formas de cultivá-la no dia-a-dia e de como lidar com o processo mental de crianças e adolescentes.

Fleury Saúde em Dia: Aos olhos da Neurociência, como a mente interfere em nosso comportamento?
Suzana Herculano-Houzel: A noção geral do papel do sistema nervoso é que ele gera o comportamento a partir do processamento de estímulos do corpo e do ambiente. Mas nós fazemos mais do que isso: temos a capacidade de mudar o curso do nosso comportamento com base em nossas experiências passadas e previsões e objetivos para o futuro. Isso é possível desde que o cérebro consiga criar uma imagem geral do corpo no presente e combiná-la com suas projeções mentais para o futuro: é compatível com seus planos, por exemplo, permitir-se uma resposta impulsiva e xingar alguém? A atividade mental, portanto, é um guia muito importante do comportamento.

O cérebro considera as pessoas mais bonitas quando elas sorriem. É o tratamento de beleza mais rápido, barato e democrático que conheço


Fleury: Em que medida estamos fadados a um comportamento e como podemos nos libertar dele?
Suzana: Temos a capacidade de nos libertar de comportamentos a partir do instante em que tomamos conhecimento do que estamos prestes a fazer. Esse princípio foi muito bem demonstrado no filme Minority Report: A Nova Lei (de Steven Spielberg). A partir do momento em que o cérebro registra conscientemente seu plano de ação para as próximas frações de segundo, ele ganha a capacidade de intervir sobre esse plano e modificá-lo. Em outro plano, a genética nos dá um ponto de partida do que o cérebro será capaz de fazer, mas esse potencial só é desenvolvido com a prática. A experiência de vida, portanto, é uma influência enorme que age por cima do ponto de partida genético.

Fleury: Afinal, o que fazer para ficar de bem com a mente?
Suzana: Eu sugiro começar por reconhecer que a saúde mental e a saúde física estão diretamente vinculadas uma à outra. Tudo o que antes se recomendava em prol da saúde cardiovascular – exercícios, alimentação saudável, não fumar – hoje se sabe que também beneficia diretamente o cérebro. Além disso, respeitar as horas de sono, aprender a gerenciar o estresse e até aproveitar o lado bom da ansiedade, investir na própria educação, aprender a ouvir as emoções, buscar a felicidade e os prazeres como forma de aumentar a motivação, reconhecer quando tristeza e felicidade se tornam doentias, aceitar medicação quando necessário e cultivar os relacionamentos sociais, tratando pessoas queridas com carinho, são caminhos importantes para ficar de bem com o próprio cérebro.

Fleury: Por que o cérebro precisa do corpo?
Suzana: As emoções são as impressões que o corpo nos dá sobre a atividade mental: se algo nos deixa felizes ou angustiados, tensos ou relaxados, é o corpo que diz – sob o comando do cérebro, claro. Além disso, o corpo é a interface necessária entre o cérebro e o ambiente: sem ele, o cérebro não tem informação alguma.

Fleury: Por que é importante cultivar os prazeres?
Suzana: O sistema cerebral que nos proporciona a sensação de prazer com um trabalho bem-feito ou com surpresas interessantes é o mesmo que nos dá motivação para agirmos de modo geral – a começar pelo ato de nos levantarmos da cama de manhã. Por isso, além do efeito imediato do prazer, que traz bem-estar, cultivar os prazeres é uma forma de ajudar o cérebro a encontrar motivação para seguir em frente.

Fleury: Por que devemos ouvir nossas emoções?
Suzana: Porque elas são fortes e rápidos indicadores das primeiras impressões do cérebro a respeito de um assunto, baseadas em nossas experiências anteriores. Isso não significa que elas devam sempre ser seguidas – mas ouvidas, sim.

Fleury: Por que devemos sorrir?
Suzana: O sorriso é a expressão facial que acompanha a satisfação e, como ele é contagioso, é um grande convite à interação social. Além disso, a expressão do sorriso já começa a deixar o cérebro propenso a sensações mais positivas. Sem dizer que o cérebro considera as pessoas mais bonitas quando elas sorriem. É o tratamento de beleza mais rápido, barato e democrático que eu conheço.

Fleury: Como o estresse e a ansiedade podem nos ajudar?
Suzana: A resposta aguda ao estresse, tanto o real quanto o antecipado – o que causa ansiedade –, é positiva e tem por função preparar corpo e cérebro para lidar com o assunto e resolvê-lo o quanto antes. Esse é o lado bom da resposta aguda, imediata, ao estresse, que podemos aprender a aproveitar.

Fleury: Uma das grandes preocupações atuais, especialmente nas grandes cidades, é relativa à memória – vítima da correria, do excesso de tarefas e de suas complicações. Como estimular a memória?
Suzana: Usando-a. Depois de combater o estresse crônico, grande inimigo da memória, o melhor remédio para a memória é usá-la. Simples assim.

Fleury: O esquecimento tem uma função para nós?
Suzana: Esquecer o que não tem importância é tão importante quanto conseguir se lembrar do que deve ser lembrado. Li há pouco tempo a história de uma moça que tem uma memória autobiográfica excelente: ela é assombrada por memórias que preferia não ter. Até no trivial o esquecimento é importante: imagine chegar ao estacionamento no fim do dia e ser assolado pelas memórias de todas as vagas diferentes – e totalmente inúteis – onde você parou seu carro ao longo do ano? Seria horrível, e uma perda de tempo e energia fenomenal!

Outras Notícias

Cuidado Integrado para Empresas

Empresa mais tradicional de diagnósticos do mercado brasileiro, Grupo Fleury cria serviço de consultoria que auxiliará companhias na retomada de atividades com soluções que envolvem etapa de testagem diagnóstica de colaboradores, consultoria médica para definição de protocolos de segurança de saúde e coordenação de cuidados com aplicação de telemedicina e prontuário eletrônico

Segunda Opinião Gratuita - Grupo Fleury

Conheça o projeto gratuito de cooperação para segunda opinião da equipe de médicos especialistas em laudos de tomografia e radiografias de tórax do Grupo Fleury.

Vacine-se contra a gripe no Fleury

O Fleury disponibiliza a vacina quadrivalente contra a gripe, uma vacina inativada que protege contra quatro diferentes vírus influenza.

Mitos e verdades no tratamento por infusão

Dúvidas nunca faltam quando você começa um novo tratamento. Como em todas as situações novas, por vezes você se sente inseguro e busca informações na internet ou troca ideias com pessoas próximas, para entender melhor o que enfrentará. O mesmo ocorre com o tratamento por infusão, cuja recomendação médica vem se tornando mais frequente a cada dia; pois, resultado de pesquisas científicas comprovam, cada vez mais, os benefícios da terapia biológica no controle dos sintomas, em doenças crônicas autoimunes.