Informe-se sobre COVID-19 clicando aqui

Comida, pra que te quero? | Revista Fleury Ed. 28

Os nutrientes que ingerimos são aproveitados de muitas maneiras – uns fornecem energia, outros reconstroem músculos e abastecem as células.

Comida, pra que te quero?

Os nutrientes que ingerimos são aproveitados de muitas maneiras – uns fornecem energia, outros reconstroem músculos e abastecem as células. Confira o caminho percorrido pelos diversos tipos de alimentos no nosso organismo.

Por rafael andrade | ilustração eder redder

CARBOIDRATOS

SIMPLES

Encontrados no mel, no açúcar e em refrigerantes, doces, balas e chicletes, são facilmente quebrados e absorvidos pelo organismo. Esses alimentos também são chamados de energéticos, e podem ser consumidos para obter mais pique mais rapidamente por quem vai fazer uma atividade física, por exemplo.

COMPLEXOS

Encontrados principalmente em cereais (arroz, milho, trigo e derivados, como pães, massas e biscoitos) e tubérculos (batata, batata-doce, mandioca, cará, mandioquinha e inhame). Com alta concentração de amido, os alimentos desse subgrupo têm moléculas mais difíceis de serem quebradas. Isso faz com que a digestão seja mais lenta, o que prolonga a sensação de saciedade.

PROTEÍNAS

Encontradas em carnes em geral, leite e derivados, ovos e leguminosas (como feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha, tremoço e soja). Os alimentos proteicos são as principais fontes de aminoácidos.

GORDURAS

São os óleos e gorduras encontrados em alta concentração em azeites, óleos vegetais, nozes e castanhas, carnes e peixes, leite integral e queijos amarelos. Também podem ser adicionados na preparação dos alimentos, como no caso das frituras, e nos produtos industrializados. São as principais fontes de ácidos graxos.

ESTÔMAGO OU LIQUIDIFICADOR?


Após passar pela boca, faringe e esôfago, o bolo alimentar chega ao estômago. A mucosa gástrica identifica os elementos que compõem os alimentos e libera substâncias como ácido clorídrico e enzimas, responsáveis por transformar tudo o que ingerimos em milhões de partículas. Com a ajuda fundamental dos movimentos peristálticos, isso se transforma em massa alimentar.

BOLO NUTRITIVO

A digestão dessa massa alimentar continua no duodeno e no intestino delgado, que também absorve os nutrientes. Dali, eles partem para a corrente sanguínea e tomam rumos diferentes pelo organismo.

PROTEÍNAS

As proteínas se tornam aminoácidos, aproveitados na construção dos músculos e na manutenção de tecidos e células. O excesso é eliminado pelos rins. Por isso, o consumo deve ser adequado para que não haja sobrecarga.

CARBOIDRATOS

Os carboidratos se transformam em glicose, que é a principal fonte de energia para as células. Quando há glicose em excesso, o fígado a utiliza para estocar gordura – nele próprio ou aquela subcutânea, que se acumula na coxa, no quadril ou no braço, ou a visceral, que fica concentrada na barriga e ao redor dos órgãos.

GORDURAS

As gorduras são quebradas em ácidos graxos e levadas por lipoproteínas até o fígado. De lá, são conduzidas para o sangue para abastecer e formar as membranas que revestem as células do corpo todo. O que sobra também pode ser estocado no tecido adiposo.