Cotidiano, Óptica e Humor | Revista Fleury Ed. 18| Revista Fleury Ed. 18

Não há idade para começar a se movimentar ou praticar exercícios. Eles trazem benefícios para o corpo e a mente em todas as idades


Quem chega à Unidade Itaim depara, logo na entrada, com um desenho que lembra uma cena tipicamente paulis­tana: edifícios altos, sinais de trânsito e antenas de TV. Quase todas as fi­guras são apresentadas apenas por traços pre­tos. Algumas, porém – como a piscina em que uma mulher se prepara para mergulhar, um arco vermelho e uma bola que diverte um menino –, trazem cores fortes e parecem despertar alegria nas personagens. Pequenos momentos diários de epifania. A mostra é um convite, um incen­tivo para que cada visitante se anime a “colorir” sua cidade e a própria vida – seguindo o recado embutido no subtítulo da mostra: Respire Co­res, Inspire Sorrisos. “As situações cotidianas proporcionam essa transformação, e a exposição tenta incentivar as pessoas a promovê-la”, expli­ca Monica Palazzo – coautora da mostra junto com Renata Rugai, ambas cineastas.

Dezenove ambientes da unidade receberam trabalhos concebidos pela dupla em parceria com uma equipe multidisciplinar. As obras são varia­das. Há vídeos (Sala Experiência), uma coleção de espelhos que faz com que o visitante se veja a partir de ângulos inusitados (Corredor dos Espe­lhos) e uma mesa curiosa (Móbile Mobília): sobre seu vidro, pequenas esferas se movimentam, em resposta aos passos dos visitantes, captados por sensores eletrônicos. “A ideia é que as pessoas percebam que uma vida saudável se constrói dia­riamente, com pequenas atitudes, que refletem no bem-estar físico, mental e social. Essa é uma maneira de mudarmos comportamentos prejudiciais à nossa saúde”, afirma Monica. O caráter lúdico da exposição é sintetizado em um corre­dor com os Segredinhos da Vovó, caixas afixadas na parede que, quando abertas pelo visitante, re­produzem dicas de saúde. Detalhe: a voz que nos fala é de uma bem-humorada vovó. “E é difícil resistir aos conselhos dela”, brinca Monica. Na entrevista a seguir, ela fala sobre a Colorir a Vida e sobre como a arte, a saúde e as cores podem transformar nosso cotidiano.

Fleury Saúde em Dia: Colorir a Vida – Respire Cores, Inspire Sorrisos. Como dar forma a esse conceito?
Monica Palazzo: Colorir a Vida é uma ma­neira de relacionar valores importantes para o Fleury – como bem-estar, equilíbrio e saúde – com experiências do ramo das artes visuais. Explorando, em todas as obras e ambientes da exposição, aspectos lúdicos e poéticos, preten­demos despertar novos pontos de vista sobre situações cotidianas. A ideia é que as pessoas percebam que uma vida saudável se constrói diariamente, com pequenas atitudes, que refle­tem no bem-estar físico, mental e social. Essa é uma maneira de mudarmos comportamentos prejudiciais à saúde, rever valores e permitir a nós mesmos experimentar coisas novas e co­nhecer lugares e culturas diferentes. Nós somos muito influenciados pelo ambiente em que esta­mos. Por isso, visitar a Unidade Itaim para rea­lizar um exame e deparar com uma experiência sensorial, como a proposta pela Colorir a Vida, é algo muito bacana e inusitado.

Fleury: Muitas atrações da exposição permitem o contato do visitante com as obras apresentadas – ou mesmo dependem dessa interação. Por que isso?
MP: Dar ao visitante a possibilidade de alterar o movimento das obras é concretizar a ideia pro­posta pela exposição: respirar cada cor, inspirar sorrisos – em si e nos outros. Ou seja, nós tam­bém devolvemos ao mundo aquilo que o mun­do inspira em nós. A interação não é uma via de mão única, assim como os cuidados com o bem-estar mental, físico e espiritual estão vin­culados à nossa relação com os acontecimentos diários – que nem sempre são prazerosos, mas que podem ser encarados de outras maneiras, inclusive com bom humor.

Fleury: Qual a relação entre cor e humor, cor e estado de espírito? De que forma as cores podem tocar as pessoas?
MP: As cores vibram, e elas nos atingem de forma muito diferente do que faz a palavra escrita, por exemplo, ou a música, que também nos atinge, mas de maneira diversa. No caso da exposição, a ideia foi apresentar os trabalhos com traços pretos e pincelar nossas propostas para diversão, reflexão e inspiração com cores. Daí o subtítulo da exposição: Respire Cores, Inspire Sorrisos. A ideia é que você respire, leve para dentro as cores, e as devolva não apenas para você, mas para as demais pessoas. O preenchimento da vida com as cores depende muito de nós, depende do nosso estado de espírito.

Fleury: Sua área de atuação é a arte. De que forma ela pode alterar nosso humor?
MP: A arte não está vinculada ao humor, mas podemos ter o bom humor como consequência de um trabalho “bem-humorado”. O bom humor pode nos trazer leveza, e a arte pode nos fazer ver o mundo de outra forma.
Fleury: A arte parece distante das pessoas no dia a dia. É objetivo da exposição aproximá-las?MP: Privilegiamos aspectos do dia a dia na expo­sição usando, para tanto, uma mistura de lingua­gens poéticas e uma diversidade de materiais. Te­mos alguns painéis coloridos que retratam cenas cotidianas. Há também um esquete, bem-hu­morado e em vídeo, que mostra a manhã de um casal momentos antes de o rapaz sair para fazer um exame de sangue. Ou os painéis lenticulares, que exibem frases inspiradoras. Para lê-las, o vi­sitante tem de se deslocar, pois em cada posição uma parte do painel é mais bem visualizada.

Fleury: Como podemos repetir isso em nossas vidas, em nosso trabalho, em nossas casas?
MP: Muitas vezes, a vida cotidiana nos tira a leve­za, o tempo ocioso, o intervalinho para levantar, esticar as pernas e os braços – e isso inclui aquele tempo para a fruição, para o prazer estético. Ou­vir uma boa música, rever uma fotografia feita em uma viagem bacana e anotar no papel palavras que vêm à mente pode quebrar essa rotina. Eu me co­movo revendo pinturas e filmes que são impor­tantes para mim, e também mantenho o hábito de ler livros ou artigos. Nesse sentido, vale muito a pena ter sempre o livro favorito ao alcance da mão, a canção preferida no iPod ou ainda a repro­dução de um quadro ou foto no computador. E ter a consciência de que nada substitui a ida ao cine­ma ou uma visita ao museu.

Fleury: E a beleza, ela tem uma função especial em nossas vidas?
MP: Se lembrarmos que a estética é responsável por nos provocar afetos, percepções e sensações, então concluiremos que a beleza deveria, sim, fa­zer parte da vida das pessoas. Mas como? Se esti­ver aliada aos conhecimentos com que entramos em contato desde a escolinha. Valores estéticos são muitas vezes deixados de lado, quando deve­riam ser responsáveis também pela construção da nossa visão de mundo, e nos ajudar a trilhar nossos caminhos nele.


Outras Notícias

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.

Grupo Fleury participa do processo de testes para vacina contra a COVID-19

Grupo Fleury realizará testes para 2 mil candidatos selecionados pela Unifesp para estudo sobre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Em estudo conduzido pela Escola Paulista de Medicina, da Unifesp, Grupo fará exames do tipo sorológico durante triagem de participantes de experimento. Vacina está sendo testada em 50 mil pessoas em vários lugares do mundo. IMPORTANTE: Os 2000 candidatos para o estudo da vacina serão selecionados exclusivamente pela Unifesp. Nossa central de atendimento não recebe candidaturas.