Diabetes e desnutrição: combinação perigosa

Tradicionalmente, a literatura médica aponta o diabetes tipo 1 como o mais comum entre crianças e adolescentes, mas os clínicos estão se deparando com uma nova situação em seus consultórios.

É cada vez mais frequente o aparecimento de crianças e adolescentes portadores de diabetes tipo 2, que é mais associado à obesidade e à falta de exercícios físicos”, afirma Cynthia Maria Álvares Brandão, assessora médica do Fleury Medicina e Saúde.

O diabetes, segundo ela, quando ocorre na infância e na adolescência tem algumas particularidades porque são períodos críticos, quando o indivíduo ganha altura e peso, além de passar pelo amadurecimento sexual. “E o diabetes não deixa de ser uma doença nutricional”, aponta ela. A médica afirma que muitas crianças e adolescentes diabéticos podem se desnutrir devido a uma dieta inadequada ou administração insuficiente de insulina.

A médica relata que em sua experiência clínica é comum encontrar jovens diabéticos desnutridos. “Eles querem comer açúcar, alguma coisa doce, e, para isso, injetam insulina. Mas como não podem ganhar peso, deixam de consumir os alimentos que deveriam e, por isso, muitas vezes encontramos crianças e adolescentes desnutridos. E a desnutrição nessa faixa de idade tão crítica do crescimento pode comprometer a massa óssea, o que resultará na osteoporose na vida adulta”, afirma.

Cynthia explica que o jovem que “burla” conscientemente a conduta terapêutica ou que apresenta alguma instabilidade no quadro da doença pode ter alterações nutricionais que comprometem tanto o crescimento quanto o amadurecimento adequado das características sexuais. “Pode ocorrer atraso de desenvolvimento puberal”, diz ela.

Os diabéticos estão sujeitos a deficiências de ferro, que causam anemia, de vitaminas do complexo B, que levam a problemas neurológicos, de magnésio, que resultam em sintomas musculares, de vitamina D, que predispõem à perda óssea e às alterações imunológicas, e várias outras deficiências de micronutrientes. “Estas deficiências se devem a erro alimentar, mau controle do diabetes, ao próprio uso de medicamentos (metformina, por exemplo) e a excesso de urina (poliúria) que estes pacientes apresentam, informa a especialista.

Diabetes
Cerca de 500 novos casos de diabetes são diagnosticados todos os dias. Os sintomas clássicos são aumento da sede, da fome, da quantidade de urina e perda de peso. Entretanto, pode-se ter aumento dos níveis de glicose no sangue sem nenhum sintoma. Mesmo nessa fase, órgãos como rins, olhos e coração podem ser afetados. Por isso, o diabetes é conhecido como “doença silenciosa.

Portanto, é importante fazer exames periódicos, principalmente em pessoas que tenham outras doenças associadas, como obesidade, hipertensão e aumento de colesterol ou de triglicérides. Quanto mais cedo o diabetes for diagnosticado e o tratamento for iniciado, mais complicações serão evitadas.

Confira podcast com mais informações sobre diabetes:
http://podcast.fleury.com.br/2011/11/10/saiba-mais-sobre-o-diabetes

Outras Notícias

WebMeeting: Recomendações para ressuscitação cardiopulmonar (RCP) na COVID-19

Assista à transmissão ao vivo sobre: "Recomendações para ressuscitação cardiopulmonar (RCP) na COVID-19". O evento é exclusivo para médicos.

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.