Gravidez em movimento | Revista Fleury Ed. 17

Ter hábitos saudáveis influencia todos os aspectos da vida, inclusive a atividade sexual. Se algo não vai bem, é preciso procurar um especialista

Entre as transformações que ocorrem na gravidez está a mudança no centro gravitacional do corpo, que pode alterar o equilíbrio da mulher. Especialmente nas últimas semanas, quando a barriga já cresceu bastante, não é raro ver gestantes que relatam certo cansaço e dores nas costas. Para sustentar o peso extra – normalmente, 9 a 12 quilos a mais durante toda a gestação –, a coluna trabalha em dobro, e as dores, particularmente nas regiões lombar e cervical, costumam aparecer. Por isso, entender as mudanças no corpo ajuda a futura mãe a passar por esses meses com mais tranquilidade.

Durante a gravidez, à medida que o feto se desenvolve, a barriga aparece e o centro de gravidade se desloca para a frente. Isso altera o ponto de equilíbrio da mulher, que será ajustado graças a outros mecanismos. “As mudanças dos níveis da progesterona – hormônio produzido pela placenta – deixam os ligamentos do corpo mais elásticos, dando maior mobilidade às articulações”, explica Arnaldo José Hernandez, professor associado da Faculdade de Medicina da USP, chefe do Grupo de Medicina do Esporte e Cirurgia do Joelho do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do Hospital das Clínicas (FMUSP) e diretor da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBME).

Esse processo de adaptação é limitado ao tempo da gravidez, e o corpo volta ao normal depois do nascimento do bebê. “Essa flexibilidade ocorre para que o bebê consiga se desenvolver em um ambiente confortável, sem que haja barreiras fixas que impeçam seu crescimento, e o organismo esteja bem adaptado para a hora do parto”, explica Pablius Staduto Braga e Silva, médico do esporte do Fleury Medicina e Saúde.

Para melhorar a base de sustentação do corpo, por causa do aumento do volume abdominal, ocorrem adaptações nos membros inferiores, tanto nos quadris quanto nos joelhos, tornozelos e pés, afirma Rodrigo Evers, educador físico do Fleury.

Com tantas mudanças, é natural que as dores lombares ocorram. “Calcula-se que cerca de 50% das grávidas sintam dor na coluna em algum momento da gravidez, por causa da adaptação do corpo feminino ao crescimento do bebê”, ressalta Ricardo Nahas, médico ortopedista do Fleury Medicina e Saúde. Como já salientou Silva, a alteração no eixo de equilíbrio da mulher é limitada à gestação. “Se essa situação se mantivesse após o parto, os problemas decorrentes da acomodação da coluna para sustentar o excesso de peso seriam extremamente prejudiciais à saúde da mulher”, explica Silva.

Coluna fortalecida
De acordo com Nahas, porém, o risco de ter dor diante dessa transformação corporal depende diretamente do condicionamento físico da gestante. “Se ela fizer exercícios regularmente e estiver dentro do peso, a probabilidade de ter dor é muito menor.” Então, a atividade física é um dos recursos para manter a saúde da coluna, fortalecendo a musculatura lombar e minimizando os incômodos na região. “O ideal seria que toda mulher pudesse se preparar com exercícios específicos, pelo menos seis meses antes de engravidar”, afirma Rodrigo Evers. Entretanto, mesmo se isso não for possível, os cuidados com o corpo merecem atenção especial, para evitar esses desconfortos. “A mulher não deve deixar de realizar atividades físicas por causa da gravidez, uma vez que ela precisará ter muita energia e disposição para cuidar de um recém-nascido”, ressalta o preparador físico.

""Os exercícios recomendados para gestantes são os aeróbios, os alongamentos e as caminhadas, mas todos devem ser feitos com a supervisão de um especialista""

Entre os exercícios recomendados para gestantes estão os aeróbios, como a hidroginástica, além de alongamentos e caminhadas. Mas é importante ressaltar que as gestantes só devem fazer exercícios físicos com autorização médica e, se possível, com supervisão de um profissional. De acordo com Hernandez, é preciso ter um cuidado especial durante os três primeiros meses de gestação. “A gestante mais ativa deve continuar com seu padrão de atividades normal, apenas diminuindo a intensidade do exercício”, explica. Para as mais sedentárias, a única restrição é em relação à corrida. “Os impactos podem causar microtraumas na pelve daquelas que não estão acostumadas a realizar esse tipo de exercício.”
Além disso, é importante manter hábitos posturais saudáveis. “Dormir em um colchão confortável, apoiando a barriga na cama e com um travesseiro na altura certa, também ajuda a evitar as dores na coluna”, aconselha Silva. De acordo com o médico, o travesseiro não deve ultrapassar a distância do vão entre o ombro e o pescoço. “Ao sentar-se, a gestante deve manter a coluna ereta e, de preferência, apoiar a região lombar em uma almofada”, completa.

Destaques
Cerca de 50% das grávidas sentem dor na coluna em algum momento da gestação. Para evitar isso, é importante fazer exercícios.



Outras Notícias

Aleitamento Materno – Agosto Dourado

A amamentação é uma das melhores estratégias para salvar vidas infantis e melhorar a saúde e o desenvolvimento econômico e social dos indivíduos e das nações. Vale ressaltar que o profissional de saúde deve sempre informar sobre a importância da amamentação e apoiar a resolução materna. O suporte à mulher que amamenta é fundamental para a manutenção do aleitamento materno.

Webmeeting Centro de Infusões

Doença inflamatória intestinal e Covid-19: implicações em pacientes adultos e pediátricos

Hereditariedade das condições clínicas tratadas por infusões. É possível saber se meu filho também será acometido?

Ao receber o diagnóstico de uma doença grave, os pais sempre ficam aflitos para saber se ela é hereditária e qual a probabilidade de afetar os seus filhos. Para entender melhor essa questão, é preciso definir quais são as doenças tratadas por infusões que podem ser hereditárias.

Campanha Cuide com Todo Coração

Ele está com você desde o primeiro instante. Acompanhando a sua trajetória pelas batidas. Pulsando a cada nova etapa, conquista, sensação. E agora, mais do que nunca, você deve entendê-lo. Prevenindo-se para que o amanhã seja sempre melhor. Por isso vamos falar desse órgão tão importante nos próximos dias, para que você aprenda ou continue a cuidar dele com todo o seu coração.