Medo de agulhas | Revista Fleury Ed. 17

Fazer planos para o futuro faz parte da vida de todos nós.

Sei exatamente quando meu trauma começou. Nós, crianças dos anos 60, tínhamos de fazer um teste subcutâneo chamado Mantoux. A agulhinha era enfiada embaixo da pele (ainda me arrepio só de lembrar), um remédio era aplicado ali e esperávamos a reação para ver se precisávamos tomar a vacina contra a tuberculose. Hoje as crianças recebem a vacina BCG e estamos conversados (embora eu conheça algumas crianças que tenham ficado com trauma da fi gura do Zé Gotinha!).

Foi por isso que comecei a fugir de agulhas. O “fugir” não está escrito no sentido figurado. Lembro-me do dia em que resolvi fugir de dentro da farmácia na hora de tomar uma injeção. Corri, corri, corri desesperadamente. Quando percebi, tinha apenas dado a volta no quarteirão. Eu ainda não atravessava a rua sem a companhia de um adulto. Meu pai me recapturou e me levou para dentro da farmácia de novo. Precisou de mais dois para me segurar.

Minha antipatia por agulhas só foi aumentando. Eu me recusava a comer arroz do tipo agulhinha. Fiquei com receio de ser convocado para o Exército e ter que servir na Academia das Agulhas Negras. Não quis saber de ver o fi lme Hellraiser, com aquele sujeito cheio de agulhas na cara.

Até que a gente vira adulto e descobre que o medo de agulha é uma grande bobagem (disfarça, disfarça). A coisa começou a mudar quando fiquei sabendo que estava com o colesterol alto e comecei a fazer exames de sangue mensais. Na verdade, tive de desenvolver uma técnica bastante simples: nunca, em hipótese alguma, encaro a agulha. Viro o rosto e fico lendo os nomes de todos os funcionários que fizeram a limpeza da sala nas últimas horas.

Assim, eu e as agulhas estamos vivendo um momento de trégua. Mas tudo tem limites. Nos últimos meses, algumas crises de enxaqueca começaram a me rondar. O médico sugeriu algumas sessões de acupuntura. O quê? Eu de Hellraiser? Aí já seria o fim da picada!

Outras Notícias

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.

Grupo Fleury participa do processo de testes para vacina contra a COVID-19

Grupo Fleury realizará testes para 2 mil candidatos selecionados pela Unifesp para estudo sobre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Em estudo conduzido pela Escola Paulista de Medicina, da Unifesp, Grupo fará exames do tipo sorológico durante triagem de participantes de experimento. Vacina está sendo testada em 50 mil pessoas em vários lugares do mundo. IMPORTANTE: Os 2000 candidatos para o estudo da vacina serão selecionados exclusivamente pela Unifesp. Nossa central de atendimento não recebe candidaturas.