O estresse afeta nosso cabelo? | Revista Fleury Ed. 15

Nelson Carvalhaes, médico responsável pelo Check-Up do Fleury


Sim. "Que o estresse ajuda a acelerar ou aumentar a queda, não temos mais dúvidas. Mas ele é superestimado como o grande causador do problema", afirma o cirurgião plástico Ricardo Lemos, que opera no Fleury Hospital-Dia. Na maioria das vezes, no entanto, a queda de cabelo está associada a uma predisposição genética. Problemas capilares no geral, tais como calvície e dermatite seborreica (caspa), aparecem em quem já tem predisposição. Mas é claro que em momentos de grande estresse, esses problemas tendem a piorar. "Entretanto, se a pessoa não está estressada e o cabelo continua caindo de forma anormal, é preciso investigar a causa, pois, além do estresse, outras condições ou doenças podem desencadear queda de cabelo, e é importante diagnosticá-las", recomenda a dermatologista Aline Donati, do serviço de Check-Up do Fleury.

Outras Notícias

WebMeeting: Recomendações para ressuscitação cardiopulmonar (RCP) na COVID-19

Assista à transmissão ao vivo sobre: "Recomendações para ressuscitação cardiopulmonar (RCP) na COVID-19". O evento é exclusivo para médicos.

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.