O reflexo do refluxo

Fleury Medicina e Saúde tem testes capazes de identificar o problema que atinge 20% da população.

Azia e regurgitação quase sempre são reflexos da doença do refluxo gastroesofágico (DRGE), que acomete cerca de 20% da população nos Estados Unidos, Europa e Brasil. Existem, ainda, sintomas atípicos como tosse, asma, pigarro ou rouquidão, que também podem indicar a doença, mas como não são tão evidentes, podem retardar o diagnóstico e ampliar o desconforto do paciente.

“O diagnóstico adequado, portanto, depende muito do conhecimento dessas várias formas de apresentação”, ressalta Ary Nasi, responsável pelo setor de Motilidade Digestiva do Fleury.

O mais novo exame para identificar a DRGE é a impedanciometria esofágica. Ao ser associado à pH-metria (impedâncio-pH-metria esofágica), o exame destaca-se, na linguagem médica, como o novo “padrão-ouro” para o diagnóstico desta doença.

Que dor é essa?

Toda vez que nos alimentamos, o esfíncter (anel) entre o esôfago e o estômago relaxa e se abre para o alimento descer. Para expulsar o ar que entrou junto com a comida, o anel também se abre. Nesses momentos, um pouco dos ácidos e enzimas do estômago sobem naturalmente pelo esôfago, mas o seu retorno é tão rápido, tão fugaz, que não sentimos. Em um dia, esse abre e fecha ocorre repetidas vezes sem nos darmos conta.

Mas quando existe uma falha no funcionamento do esfíncter, os líquidos estomacais sobem para o esôfago, o que pode provocar regurgitação e uma sensação de queimação (azia), além dos sintomas atípicos já citados.

“Por isso, a tosse crônica, persistente por mais de três meses, deve ser investigada”, orienta Nasi. Isso porque cerca de 20% desses casos têm o refluxo como origem.

Mas nem toda azia ou tosse é refluxo. Portanto, a investigação desses sintomas é importante e deve incluir uma avaliação clínica e exames complementares, se necessário. O Fleury oferece todos os exames para o diagnóstico adequado da DRGE e foi pioneiro na realização da impedâncio-pHmetria esofágica, o mais moderno deles. Nesse exame, o paciente permanece durante 24 horas, aproximadamente, com um cateter dentro do esôfago, que consegue detectar a ocorrência de refluxo ácido e não-ácido, o tipo de material refluído (líquido, gasoso ou misto) e a altura alcançada por esse material. O exame permite, ainda, analisar se as queixas apresentadas pelo paciente são decorrentes do refluxo. “Técnicas mais antigas identificam apenas o refluxo ácido, não avaliando a ocorrência de refluxo não-ácido, que também pode determinar sintomas”, explica Ary Nasi.

Uma vez confirmado o diagnóstico, a fase seguinte é o tratamento, que costuma trazer bons resultados, eliminando ou reduzindo os sintomas. “Mas não é só remédio”, explica o gastroenterologista do Fleury. O tratamento indicado deve abranger três pontos bastante importantes:

1) Medicação para diminuir a acidez e auxiliar no esvaziamento gástrico;

2) Dieta, evitando alimentos que relaxam ainda mais o esfíncter, como os gordurosos e as bebidas alcoólicas;

3) Orientação comportamental. “O paciente tem que saber, por exemplo, que o excesso de peso favorece o refluxo e que atividades físicas mal orientadas também podem ser prejudiciais”, diz Ary Nasi.

Outras Notícias

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.

Grupo Fleury participa do processo de testes para vacina contra a COVID-19

Grupo Fleury realizará testes para 2 mil candidatos selecionados pela Unifesp para estudo sobre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Em estudo conduzido pela Escola Paulista de Medicina, da Unifesp, Grupo fará exames do tipo sorológico durante triagem de participantes de experimento. Vacina está sendo testada em 50 mil pessoas em vários lugares do mundo. IMPORTANTE: Os 2000 candidatos para o estudo da vacina serão selecionados exclusivamente pela Unifesp. Nossa central de atendimento não recebe candidaturas.