Prato reduzido | Revista Fleury Ed. 22

Milhares de brasileiros têm se submetido, nos últimos anos, às cirurgias de combate à obesidade, também conhecidas como bariátricas.

Milhares de brasileiros têm se submetido, nos últimos anos, às cirurgias de combate à obesidade, também conhecidas como bariátricas. Segundo dados recentes da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica (SBCBM), cerca de 30 mil procedimentos foram feitos em 2009. Este número é 500% maior do que dez anos atrás, quando cerca de 5 mil cirurgias semelhantes foram realizadas. Todos os pacientes, sem exceção, tiveram de passar por uma rigorosa readaptação alimentar. Aliás, as dúvidas sobre como fica a alimentação após a intervenção estão entre as mais frequentes.

Os profissionais envolvidos nos procedimentos do aparelho digestivo admitem que a rotina alimentar não é muito simples. Mas todos sobrevivem, garantem. “Diante das dúvidas e inseguranças dos pacientes, costumo lembrar das milhares de pessoas que já passaram pela cirurgia e conseguiram superar todas as fases. Basta disciplina e força de vontade”, afirma o gastroenterologista Thomas Szego, presidente da SBCBM.

Segundo ele, o tipo de alimentação no pós-operatório varia de acordo com a orientação da equipe médica que coordena o procedimento. “É preciso lembrar que o estômago será reduzido e, portanto, haverá cortes e suturas, ou seja, procedimentos de unir ou costurar os tecidos do corpo humano. As suturas precisam cicatrizar corretamente e a forma mais tranquila para isso acontecer é com uma alimentação líquida, que protege os pontos”, diz o médico, que, porém, admite: “Esta primeira fase é muito pouco usual, afinal, não estamos acostumados a ingerir apenas líquido o dia inteiro”. A fase líquida pode variar de 20 a 30 dias. Aí, então, progride-se para a pastosa, que também pode variar na duração, até chegar ao cardápio de alimentos com a textura “normal”.

É importante esclarecer que ninguém faz uma cirurgia bariátrica sem um bom acompanhamento multidisciplinar. Em cada etapa do processo, o paciente deve receber uma boa orientação do nutricionista, além de apoio psicológico e acompanhamento do cirurgião que realizou o procedimento.

Cardápio líquido variado
Para os primeiros dias, segundo Maurício Saab Assef, endoscopista do Fleury Medicina e Saúde, o paciente pode ingerir, de modo bem fracionado, pelo menos 2 litros de líquidos. “Não se pode beber uma parte pela manhã, outra à tarde e outra à noite, porque o estômago não deve receber grandes quantidades de uma vez só”, afirma o médico.

Segundo a SBCBM, as doses precisam ser pequenas e tomada em intervalos curtos porque o paciente tem de se manter muito bem hidratado, afastando os problemas decorrentes da baixa ingestão de líquidos. “Devem ser evitados líquidos com gás, como os refrigerantes, para não provocar a distensão estomacal, além de leite e derivados, porque algumas técnicas cirúrgicas acabam dificultando a digestão de substâncias lácteas”, afirma Assef. Na dieta líquida estão liberados a água sem gás, os chás e sucos de frutas coados sem açúcar e os caldos de carne, aves ou peixe, também coados. “Pode-se ingerir líquidos adequadamente aquecidos, sem problema”, diz Assef.

A fase líquida é seguida da pastosa, quando a comida ganha a consistência igual à das primeiras papinhas de bebê, com arroz empapado, purês, suflês ou ainda carne moída bem cozida. Permanece a recomendação para que a ingestão seja feita em pequenas porções e diversas vezes ao dia. O paciente é orientado a não ingerir mais alimentos do que a nova capacidade gástrica permite. Uma dica interessante da SBCBM é que o paciente use talheres e pratos de sobremesa. “Nesta fase, o paciente também treina a mastigação, que precisa ser muito bem feita, sem pressa, para evitar engasgos”, diz Carla Yamashita, nutricionista do Fleury Medicina e Saúde.

""Em cada etapa, o paciente deve receber uma boa orientação do nutricionista, além de apoio psicológico e acompanhamento do cirurgião que realizou o procedimento. Ninguém faz uma cirurgia bariátrica sem um bom acompanhamento multidisciplinar""

O período de alimentação pastosa varia de paciente para paciente e das orientações da equipe médica. Uma vez superado, será substituído pelo período de alimentos de consistência “normal”. “A partir deste momento, o paciente é liberado para, em princípio, comer de tudo”, diz Assef. O médico frisa o ‘em princípio’ porque as pessoas podem ter certa intolerância a alimentos mais fibrosos, como carnes e alguns legumes.
Se, com o tempo, a consistência da comida fica liberada, isso não ocorre, no mesmo ritmo, com as bebidas alcoólicas. “Recomendamos não ingeri-las nos primeiros meses porque, por conta da alteração no trajeto do aparelho digestivo, a absorção do álcool passa a ocorrer de forma mais rápida e mais intensa, fazendo com que o paciente fique alcoolizado mais facilmente”, explica o endoscopista. Outra rotina esperada é a prescrição diária de suplementos vitamínicos, além do aumento do consumo de alimentos ricos em vitaminas, porque a absorção desses nutrientes também muda, ficando mais difícil.

O paciente precisa aproveitar esse período de adaptação para aprender, gradativamente, a comer de tudo, porém, em menor quantidade. Deve também estar ciente de que a cirurgia é apenas um apoio na diminuição do peso. “Não é o procedimento cirúrgico que fará o papel do paciente na redução da ingestão alimentar”, alerta Assef. A disciplina e a colaboração são a chave para o sucesso nesta nova etapa da vida. Do contrário, o peso poderá voltar e as possibilidades de se realizar uma segunda cirurgia bariátrica são pequenas.

Dicas para a alimentação bem-sucedida
Evite:

[ ] Comer e beber ao mesmo tempo

[ ] Alimentos mal tolerados

[ ] Doces e alimentos gordurosos

[ ] Comer rápido e mastigar pouco

[ ] Café e refrigerante

[ ] Alimentos à base de leite logo após a cirurgia

Invista:

[ ] Em suplementação de vitaminas e minerais prescrita pelos profissionais que o atendem.

[ ] Em acompanhamento médico e nutricional por vários anos após a cirurgia.

[ ] Em alimentos com vitamina C, como limão na salada ou frutas cítricas na sobremesa.

[ ] Em carne vermelhas, ovos, peixes, leguminosas e folhas verdes que ajudam no combate à anemia.

[ ] Em alimentos ricos em vitaminas A, B12, E, K, em tiamina, folato e cálcio.

[ ] Em banhos de sol, até às 10 ou após as 17 horas, uma ótima opção para a recuperação da vitamina D.

Fonte: Carla Yamashita, nutricionista do Fleury Medicina e Saúde

Outras Notícias

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.

Grupo Fleury participa do processo de testes para vacina contra a COVID-19

Grupo Fleury realizará testes para 2 mil candidatos selecionados pela Unifesp para estudo sobre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Em estudo conduzido pela Escola Paulista de Medicina, da Unifesp, Grupo fará exames do tipo sorológico durante triagem de participantes de experimento. Vacina está sendo testada em 50 mil pessoas em vários lugares do mundo. IMPORTANTE: Os 2000 candidatos para o estudo da vacina serão selecionados exclusivamente pela Unifesp. Nossa central de atendimento não recebe candidaturas.