Informe-se sobre COVID-19 clicando aqui

Uso de soro fisiológico pode substituir o contraste em exame de ressonância magnética dos olhos

Método – que não utiliza radiação e dispensa agulhas para aplicação de contraste – resulta de estudo de pesquisador do Fleury Medicina e Saúde

O médico radiologista e pesquisador do Fleury Medicina e Saúde, Luiz Abreu Jr., comprovou que doenças das vias lacrimais, especialmente a obstrução desses canais, podem ser analisadas por meio da Ressonância Magnética, no lugar dos raios-X, e com uso de soro fisiológico, ao invés de contraste.

Ao substituir com êxito os raios-X e o contraste – padrão de investigação atual no Brasil – por ressonância e soro fisiológico, Abreu Jr. confirmou a eficácia de um método que é menos invasivo, pois dispensa a utilização de agulhas finas na aplicação do contraste nas vias lacrimais, e evita o risco de eventuais alergias. Além disso, por não usar radiação, o exame também reduz riscos de possíveis efeitos adversos em longo prazo, como a catarata.

De acordo com o radiologista, baseando-se em dados da literatura médica, 3% da população brasileira apresentam obstrução das vias lacrimais. Estas pessoas estão sempre lacrimejando, pois apesar de produzirem normalmente a lágrima (por uma glândula localizada no canto superior dos olhos), esta não tem a devida absorção pelos canais lacrimais, que estão entupidos.

O problema pode ser encontrado em crianças que nasceram com uma obstrução congênita, em mulheres no período pós-menopausa, em pessoas que sofreram traumatismo de face, nas que passaram por tratamento de quimioterapia, entre outros.

No estudo realizado pelo Dr. Luiz Abreu, 32indivíduos foram submetidos à avaliação das vias lacrimais por Ressonância Magnética, com aplicação de soro fisiológico. O resultado tornou-se tese de doutorado do médico, pela Faculdade de Medicina da USP, e, recentemente, foi apresentado na Jornada do Conhecimento do Fleury Medicina e Saúde, um evento sobre estudos científicos. A expectativa do radiologista é que, em breve, o método entre na rotina de exames da empresa.

“Podemos dizer que é um método novo no Brasil, embora já tenha registro na literatura médica americana recente. Procuramos realizar um teste o menos invasivo e o mais fisiológico possível, que dispensa agulhas para aplicação do contraste, bem como o uso de radiação. O soro fisiológico, que é completamente inócuo para os olhos, mostrou-se muito eficiente para demonstrar as vias lacrimais obstruídas nas imagens de Ressonância Magnética”, explica Abreu Jr.