Anatomopatológico, peça pequena, Vários Materiais

Outros nomes:
ANATOMOPATOLÓGICO PECA PEQ, BIOPSIAS/FRAG TECIDO
HISTOPATOLOGICO
ANATOMOPATOLÓGICO, PEÇA PEQUENA DE FRAGMENTOS DE BIOPSIAS

Agendamento

Este exame nao necessita ser agendado.

Prazo de Entrega

Em até 3 dias úteis (sem contar o sábado) às 20h

Orientações necessárias

- O exame pode ser realizado em fragmentos de tecido, material de biópsia ou peças cirúrgicas pequenas, retirados por médicos ou dentistas e fixados em formol a 10% (de preferência formol tamponado e em recipiente de boca larga) ou colocados em saco plástico apropriado, identificados com o nome do paciente e data de nascimento. - No caso de biópsia muscular, a análise para diagnóstico de miopatias e distrofias só pode ser realizada se a coleta for feita no Fleury, devido à viabilidade do material. Caso a biópsia muscular seja realizada por suspeita de tumores de origem muscular, o material poderá ser enviado nas condições citadas acima. - Para o envio de material oriundo de necropsias, seja para verificação de óbito, seja por motivos médico-legais, primeiramente é necessário entrar em contato com a Central de Atendimento ao Cliente para que seja feito contato com um médico responsável do Setor de Anatomia Patológica. O Fleury só realiza essa análise em casos excepcionais, com pedido explícito judicial ou do legista/patologista, definindo o motivo da solicitação. - O Fleury não analisa material proveniente de animais (Patologia Veterinária). - O material deve ser acompanhado de solicitação médica com as informações clínicas pertinentes para a interpretação dos casos.

Processamento e adequação da amostra

PROCEDIMENTO: - O material deve ser fixado no formol a 10% (de preferência formol tamponado e em recipiente de boca larga) logo após a coleta ou em saco plástico apropriado, identificados com o nome do paciente. - Enviar o material sem manipulação para o setor AP, em temperatura ambiente. - Não colocar os frascos, envoltos em papel, dentro de caixas ou copos plásticos. ATENÇÃO: Para todas as Unidades fora de São Paulo enviar além da amostra o "TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO PARA PROCEDIMENTO DIAGNÓSTICO EM PATOLOGIA", assinado pelo cliente.

Método

- Após o recebimento da amostra, é feita análise e descrição de suas características macroscópicas. Os fragmentos representativos das áreas de interesse são incluídos em parafina e corados habitualmente pela hematoxilina-eosina. Colorações especiais podem ser realizadas quando necessário. O material analisado pode ser submetido a vários exames adicionais, tais como: exame imunohistoquímico, hibridização "in situ" e ploidia de DNA, entre outros.

Valor de referência

- O resultado é fornecido com diagnóstico histopatológico e segue nomenclatura padronizada, de acordo com o tipo de amostra recebida.

Interpretação e comentários

- O exame anatomopatológico é feito em fragmentos de tecido obtidos por biópsia incisional e excisional, cautério, punch, endoscopia ou punção por agulha grossa de diferentes órgãos ou, então, em peças cirúrgicas. - As peças são examinadas macroscopicamente e descritas segundo esquemas padronizados, que também orientam sobre o local e o número de fragmentos a serem estudados. No caso de neoplasias, esses procedimentos visam especialmente a fornecer dados para determinar o estágio do câncer e seu prognóstico. - Após a inclusão dos fragmentos selecionados em parafina, realizam-se cortes finos no material, que são corados e examinados ao microscópio. Os cortes iniciais ficam prontos geralmente no dia seguinte à entrada da amostra no Fleury, quando são, então, examinados pelos patologistas, que podem decidir pela necessidade de cortes adicionais. Quando se tratar de material calcificado, como osso, o processo é mais demorado, exigindo descalcificação previamente à sua inclusão em parafina. - O objetivo principal do exame anatomopatológico é a obtenção de um diagnóstico, por meio da análise das alterações teciduais presentes nas amostras obtidas, correlacionando-as com as informações clínicas e de outras fontes, como a endoscopia, o estudo citogenético, a citometria de DNA e os métodos de imagem. Em grande número de casos, esse diagnóstico define claramente uma entidade mórbida, como neoplasia, processo inflamatório ou infeccioso específico, etc. Coleta - Algumas regras básicas devem ser seguidas quando da realização de biópsias: quanto maior a lesão, maior o número de fragmentos que devem ser obtidos, não apenas devido à possível variabilidade de padrões, mas também ao fato de as áreas diagnósticas poderem estar restritas a alguns focos da lesão. Em tumores ulcerados, por exemplo, é possível que a biópsia das áreas ulceradas mostre apenas necrose e inflamação. As regiões mais informativas são da periferia da lesão, incluindo tecido são e tumoral e sua transição com o estroma subjacente. - Deve-se evitar artefatos de esmagamento, tração, maceração e ressecamento das amostras obtidas, garantindo uma manipulação delicada. Todos os fragmentos colhidos precisam ser submetidos à análise histológica. - Dependendo da suspeita diagnóstica, deve-se ter em mente a necessidade de coleta de fragmentos em meios específicos para estudos auxiliares, tais como imprints, microscopia eletrônica, citogenética, patologia molecular, citometria de fluxo, etc. Fixação - Uma etapa importante da maioria dos exames anatomopatológicos é a fixação. O fixador mais utilizado é o formol em solução a 10%, de preferência tamponado, com volume de 5 a 10 vezes o da amostra. Numerosos outros agentes fixadores são conhecidos e podem ser usados, muitos deles com finalidades específicas. Os mais freqüentemente empregados são o B5, para biópsias de medula óssea, e o Bouin, para biópsias de testículo. Identificação - As amostras devem ser identificadas imediatamente após sua obtenção para evitar trocas ou desvio. Todas as informações sobre localização precisa, dados clínicos e de exames auxiliares pertinentes precisam ser enviadas ao patologista para facilitar a interpretação diagnóstica. Diagnóstico - Em algumas situações, o diagnóstico conclusivo não é possível. As causas mais comuns são a falta de representatividade do espécime, por exemplo, quando a biópsia retira tecido das imediações, e não de um tumor, e a fixação inadequada. - No caso de neoplasias, o laudo busca, tanto quanto possível, definir o tipo histológico, o grau, os limites e, especialmente em peças cirúrgicas, todos os elementos que possam determinar o estágio do câncer e os fatores prognósticos e de importância terapêutica. Interferentes - Os fatores que interferem numa análise anatomopatológica adequada incluem a fixação inadequada, a autólise do material e a representatividade escassa.

Dias de Medicamento

0

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou ligue para nossa Central de Atendimento pelo telefone: (11) 3179-0822

Preços e Pagamento Particular

Sabia que o Fleury oferece parcelamento em até 6x sem juros e condições especiais para pagamento particular para os médicos cadastrados?

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame: (11) 3179-0822