Crossmatch, Teste de histocompatibilidade para transplantes, sangue total

Outros nomes:

Autocrossmatch para transplantes

Crossmatch contra linfócitos T e B, com AGH, para transplantes

Prova cruzada contra linfócitos T e B, com AGH, para transplantes

Crossmatch com antiglobulina humana (AGH), para transplantes

Prova cruzada com antiglobulina humana (AGH), para transplantes

Crossmatch para transplantes

Prova cruzada para transplantes

Orientações necessárias

- Para a realização desse exame é necessária a coleta de sangue do doador e do receptor. - Verificar restrição de atendimento no hospital em que será feita a coleta. - É necessário apresentar a solicitação médica.

Processamento e adequação da amostra

Amostra do RECEPTOR: 2 Tubos ACD: -Não manusear. -Enviar imediatamente ao LARI/LARN (temperatura ambiente). 1 Tubos secos (5 mL): - Centrifugar a 2200 g por 10 minutos a 18 ºC. - Aliquotar 5,0 mL de soro em frasco plástico apropriado. - Refrigerar a 2-8 ºC. - Enviar ao LARI/LARN Amostra do DOADOR: 2 Tubos ACD: -Não manusear. -Enviar imediatamente ao LARI/LARN (temperatura ambiente). Rejeição das amostras: Sangue (ACD) =coaguladas, coletadas há mais de 24 horas, refrigeradas ou a critério médico. Soro= coletadas há mais de 72 horas, temperatura ambiente ou a critério médico.

Método

- Micro linfocitotoxicidade (CDC)

Valor de referência

- Descritivo.

Interpretação e comentários

- Teste utilizado para rastrear reatividade humoral do receptor contra células do candidato a doador. Células mononucleares periféricas do possível doador são incubadas com soro do receptor e coradas com azul de Trypan para detecção de viabilidade celular. Anticorpos contra moléculas do sistema de histocompatibilidade principal (MHC) das células do candidato a doador ocasionam citotoxicidade dessas últimas. O teste é feito por quatro variantes. A variante padrão (NIH) corresponde ao método originalmente recomendado pelo National Institutes of Health. O método AGH inclui a incubação com antiglobulina humana, o que potencializa o teste, tornando-o mais sensível. O método do DTT ocasiona desagregação da IgM, possibilitando assim a discriminação de reatividade IgG e IgM. O método dos linfócitos B apresenta moléculas MHC de classe II e uma maior densidade de moléculas do MHC de classe I. Em paralelo, o soro do doador é incubado com células do próprio doador, o que permite detecção de auto-reatividade e de reatividade inespecífica. A presença de auto-reatividade não tem impacto sobre a evolução do transplante. - O teste do crossmatch pode ser complementado com o PRA (reatividade contra painel), que apresenta maior sensibilidade e maior especificidade para anticorpos anti-MHC.

Cobertura de convênios

Para informações sobre cobertura de convênio, consulte nossa página de Convênios ou entre em contato com a nossa Central de Atendimento pelo Whatsapp (11) 3179-0822.

Preços e Pagamento Particular

Sabia que o Fleury oferece parcelamento em até 10x sem juros e condições especiais para pagamento particular para os médicos cadastrados?

Não possui cadastro? Cadastre-se já!

Entre em contato com a nossa Central de Atendimento e agende seu exame pelo Whatsapp (11) 3179-0822.