Conheça o primeiro repositório de dados para pesquisa sobre COVID-19 do Brasil

FAPESP cria repositório com dados de 75 mil pacientes, 1,6 milhão de exames e 6.500 dados de desfecho para subsidiar pesquisas sobre COVID-19. Iniciativa é inédita no país e conta com a participação da Universidade de São Paulo, Grupo Fleury e hospitais Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein.

Pesquisadores de universidades e instituições de pesquisa de todo o país passam a ter acesso hoje ao COVID-19 Data Sharing/BR, o 1º repositório do país com dados demográficos e exames clínicos e laboratoriais de pacientes que fizeram testes para COVID-19 em unidades laboratoriais e hospitais do Estado de São Paulo.

O objetivo é compartilhar informações clínicas de pacientes anonimizados para subsidiar pesquisas científicas sobre a doença nas diversas áreas de conhecimento.

A base de dados compartilhados é resultado de uma iniciativa da FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), em parceria com a USP, e já conta com a adesão de hospitais e unidades laboratoriais de atendimento a pacientes.

A parceria reúne, nesta primeira etapa, o Grupo Fleury e os hospitais Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein, que disponibilizaram informações, infraestrutura, tecnologias e recursos humanos próprios para viabilizar o compartilhamento de dados. A FAPESP está convidando outras instituições de atendimento a pacientes para compartilhar informações no repositório COVID-19 Data Sharing/BR.

O repositório (https://repositoriodatasharingfapesp.uspdigital.usp.br/) abrigará, inicialmente, dados anonimizados de 75 mil pacientes, 6.500 dados de desfecho e um total de mais de 1,6 milhão de exames clínicos e laboratoriais realizados na cidade de São Paulo pelo Grupo Fleury e os hospitais Sírio-Libanês e Israelita Albert Einstein desde novembro de 2019.

Ainda que o primeiro caso da doença no Brasil tenha sido registrado em março, pelo Hospital Albert Einstein, o período de cobertura dos dados permitirá que as pesquisas analisem o histórico de saúde dos pacientes bem como busquem evidências de sintomas da COVID-19 em pacientes atendidos anteriormente. Novos dados serão inseridos pelo Grupo Fleury, Hospital Sírio-Libanês e Einstein regularmente.

O repositório disponibilizará aos pesquisadores três categorias de informação: dados demográficos (gênero, ano de nascimento e região de residência do paciente) e dados de exames clínicos e/ou laboratoriais, além de informações, quando disponível, sobre a movimentação do paciente, como internações, por exemplo, e desfecho dos casos, como recuperação ou óbitos. Em uma segunda etapa, que já sendo fomentada pela iniciativa, o COVID-19 Data Sharing/BR abrigará também dados de imagens, como radiografias e tomografias.

O lançamento do repositório tem um cronograma de três etapas. Uma versão pequena do conjunto de dados será inicialmente disponibilizada no dia 17 de junho para um período piloto de consultas. A comunidade de pesquisa poderá baixar os dados e começar a programar técnicas de ciência de dados para leitura, visualização e análise.

Até o dia 24 de junho, os grupos de pesquisa interessados poderão enviar dúvidas e comentários para os responsáveis pelo repositório COVID-19 Data Sharing/BR pelo e-mail [email protected]. Esse feedback da comunidade durante o período piloto será usado para melhorar as informações e a documentação do repositório. O conjunto inicial completo dos dados estará público a partir do dia 1º de julho.

“Essa colaboração de pesquisadores e instituições e a cooperação anunciada hoje é um exemplo prático de como a ciência é cada vez mais uma atividade coletiva”, diz o diretor científico da FAPESP, Luiz Eugênio Mello.

"Começar esse projeto com três instituições privadas, Grupo Fleury, Hospital Sírio-Libanês e Hospital Israelita Albert Einstein, e uma universidade pública, a USP, é emblemático quanto ao potencial que temos para compartilhar dados e gerar conhecimento".

Luiz Fernando Lima Reis, diretor de Ensino e Pesquisa do Sírio-Libanês, e Luiz Vicente Rizzo, diretor superintendente de Pesquisa da Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein, também destacaram a importância da colaboração no avanço do conhecimento.

“Esse projeto é uma expressão do trabalho do Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa de transformar conhecimento em cuidado. Vivemos hoje momentos extraordinários, e a colaboração entre esses importantes centros de pesquisa ajudará o Brasil a obter informações que nos ajudará nas tomadas de decisões. Isso pode contribuir para caminharmos mais rapidamente rumo ao fim dessa pandemia”, afirma Reis.

“Um dos aspectos primordiais para tornar a ciência viável é a colaboração para a produtividade e assertividade dos estudos científicos. Essa cooperação entre as organizações é, portanto, um exemplo de como prezamos pelo coletivo e pela valorização da vida, além de demonstrar nosso comprometimento para possibilitar e impulsionar pesquisas que busquem novas formas de proporcionar mais qualidade de vida para a população”, diz Rizzo.

O diretor executivo médico do Grupo Fleury, Edgar Rizzatti, enfatizou a importância do repositório no contexto atual de pandemia “A medicina possui diversos recursos diagnósticos ou terapêuticos para enfrentar problemas em geral, mas certamente o conhecimento é uma das ferramentas mais eficazes para promover o avanço da ciência e o bem-estar, ainda mais com relação ao enfrentamento deste novo coronavírus, que ainda suscita tantas dúvidas a seu respeito internacionalmente. Por isso, parabenizamos a iniciativa e agradecemos pela oportunidade de dar a nossa contribuição ao projeto.”

Origem do repositório

A ideia de criação do repositório COVID-19 Data Sharing/BR surgiu há pouco mais de um mês e foi concretizada rapidamente graças a outro projeto lançado pela FAPESP no final do ano passado, a Rede de Repositórios de Dados Científicos do Estado de São Paulo.

A rede, que levou quase três anos para ser desenvolvida, disponibiliza em uma plataforma aberta dados associados a pesquisas científicas desenvolvidas em todas as áreas de conhecimento no Estado de São Paulo. A mesma plataforma abrigará também o repositório Covid-19 Data Sharing/BR.

O desenvolvimento da rede, que inclui um buscador de metadados, contou com o envolvimento das seis universidades públicas do Estado de São Paulo – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp), Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), Universidade Federal do ABC (UFABC) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) –, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e a Embrapa Informática Agropecuária (CNPTIA/Embrapa).

Outras Notícias

Relatório Anual de Sustentabilidade 2019

Acesse o Relatório Anual de Sustentabilidade 2019 do Grupo Fleury, baseado nas diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI) em sua versão Standard, opção Essencial, e em linha com as orientações do Relato Integrado (IR).

Semana Mundial de Conscientização Sobre Alergias

A Organização Mundial de Alergia (World Allergy Organization/WAO) realiza anualmente, juntamente com as diversas sociedades de alergia no mundo, uma semana para a conscientização sobre as doenças alérgicas e suas alterações. A partir de hoje e até o dia 4 de julho traremos informações sobre uma alergia diferente.

Checkpoints para o seu tratamento infusional: O passo a passo para alcançar mais qualidade de vida.

Qualidade de vida é uma das maiores aspirações do ser humano, expectativa que parece distante para quem sofre de doenças crônicas e incapacitantes. Mas, com o avanço das pesquisas e dos novos medicamentos da terapia infusional, é possível um cotidiano mais confortável e com maior autonomia. Para você iniciar seu tratamento com mais tranquilidade e saber quais resultados esperar, trouxemos algumas respostas para ajudá-lo.

Grupo Fleury participa do processo de testes para vacina contra a COVID-19

Grupo Fleury realizará testes para 2 mil candidatos selecionados pela Unifesp para estudo sobre a vacina contra a COVID-19 desenvolvida pela Universidade de Oxford. Em estudo conduzido pela Escola Paulista de Medicina, da Unifesp, Grupo fará exames do tipo sorológico durante triagem de participantes de experimento. Vacina está sendo testada em 50 mil pessoas em vários lugares do mundo. IMPORTANTE: Os 2000 candidatos para o estudo da vacina serão selecionados exclusivamente pela Unifesp. Nossa central de atendimento não recebe candidaturas.