Aplicação clínica da PCR quantitativa para vírus da hepatite B

A hepatite B é uma doença de distribuição mundial, com uma estimativa de mais de 400 milhões
Publicado em 02 de Julho de 2019
Compartilhar:

A hepatite B é uma doença de distribuição mundial, com uma estimativa de mais de 400 milhões de portadores crônicos do vírus B (HBV) em todo o mundo. Estes portadores representam a principal fonte de infecção e apresentam risco de desenvolver cirrose hepática e carcinoma hepatocelular.

Qualquer paciente que apresente marcadores de replicação viral (HBV-DNA e/ou HBeAg positivos), transaminases elevadas e hepatite crônica na biópsia hepática é um potencial candidato ao tratamento.

Os objetivos do tratamento da hepatite crônica pelo HBV são a supressão sustentada da replicação viral e a remissão da doença hepática histológica.

A presença do DNA do vírus da hepatite B (HBV) é o indicador mais sensível de replicação viral. Este teste determina a quantidade de partículas virais (equivalente genômicos do vírus da hepatite B) em circulação. Níveis altos são encontrados em indivíduos com hepatite viral aguda, assim como nos portadores de hepatite crônica.

A carga viral do HBV, ou PCR quantitativa do vírus da hepatite B, tem sido usada como fator prognóstico em pessoas infectadas e é excelente parâmetro para a monitoração da progressão da doença e da resposta à terapêutica específica.

No Fleury, o exame é realizado de forma pioneira com a metodologia de PCR em tempo real, que garante excelente sensibilidade aos resultados. Adicionalmente, o método de PCR em tempo real tem uma faixa de linearidade sem precedentes, permitindo quantificação de faixas extremas de cargas virais, desde poucas dezenas de cópias por mililitro de plasma até várias dezenas de milhões de equivalente genômicos do vírus B.