Auto-anticorpos em hepatopatias auto-imunes | Revista Médica Ed. 4 - 2006

É possúvel diagnosticar as doenças inflamatórias crônicas do fígado e das biliares pela presença de marcadores sorológicos específicos.
Publicado em 01 de Maio de 2006
Compartilhar:

É possúvel diagnosticar as doenças inflamatórias crônicas do fígado e das biliares pela presença de marcadores sorológicos específicos.


Antimitocôndria

Anticorpo contra envelope nuclear



Anti-LKM-1

Músculo liso

Pontos nucleares isolados

A cirrose biliar primária, as hepatites auto-imunes (HAI) e a colangite esclerosante são enfermidades inflamatórias crônicas do fígado e das vias biliares que podem ter seu diagnóstico auxiliado pela pesquisa de auto-anticorpos circulantes. Confira, abaixo, os marcadores sorológicos utilizados em cada uma dessas doenças e seu comportamento e freqüência.

Na cirrose biliar primária, os anticorpos antimitocôndria (AMA) são específicos e estão presentes em quase todos os casos. O antígeno mais freqüente é a subunidade E2 do complexo piruvato desidrogenase (PDH), mas existe a possibilidade de haver auto-anticorpos contra outras proteínas mitocondriais. Já os anticorpos antinúcleo são detectados em até 50% dos pacientes.
Com freqüência, ocorre elevação da fosfatase alcalina e da g-glutamil transferase, com mínima ou nenhuma alteração das transaminases.
Na hepatite auto-imune tipo 1, o fator antinúcleo (FAN) com padrão homogêneo, ou pontilhado fino, mostra-se presente em cerca de 50% dos casos. Por sua vez, o anticorpo antimúsculo liso (SMA), cujo antígeno-alvo é a actina F, tem alta prevalência e é considerado específico quando se encontra em títulos elevados. Em baixos títulos (<1/80), porém, possui significado clínico incerto. Outros auto-anticorpos relevantes para o diagnóstico dessa doença são o p-ANCA atípico e o anti-SLA – sigla de soluble liver antigen. De qualquer modo, a maior parte dos pacientes apresenta hipergamaglobulinemia, que pode ser utilizada como critério de atividade no acompanhamento.
A hepatite auto-imune tipo 2 tem o anti-LKM-1 como o principal auto-anticorpo, o qual é voltado contra a proteína CYP-450 2D6, do sistema citocromo oxidase. Alguns pacientes possuem apenas o anticorpo anticitosol hepático, embora ele usualmente coexista com o anti-LKM-1.
Por fim, o achado sorológico da colangite esclerosante primária é o p-ANCA atípico. Entretanto, não se trata de um marcador específico, já que ele pode aparecer também na HAI tipo 1 e na doença de Crohn.

AUTO-ANTICORPOS NAS HEPATOPATIAS AUTO-IMUNES
Doença
Apresentação/clínica
Auto-anticorpos
Freqüência
Cirrose biliar Primária
Insidiosa, em mulheres > 40 anos / Prurido generalizado e fadiga
Antimitocôndria (AMA)
• Piruvato desidrogenase (PDH), subunidade E2

• 2-oxoácido desidrogenase de cadeia ramificada

• Ácido cetoglutárico desidrogenase

• Proteína de ligação da desidrogenase
(E3-BP)

Antinúcleo (FAN)


• Numerosos pontos nucleares isolados (anti-Sp-100)

• Envelope nuclear (nucleoporina p62 e GP-210)
90-95%
















50%

13-44%



10-25%
Hepatite auto-imune tipo 1
Em mulheres > 16 anos /
Hepatite aguda ou subaguda, alterações bioquímicas hepáticas e cirrose
Antinúcleo (FAN), padrão pontilhado fino ou homogêneo

Antimúsculo liso (SMA)

p-ANCA

Anti-SLA (soluble liver antigen)
50%



85%


50-96%

14%
Hepatite auto-imune tipo 2
Em jovens < 16 anos /
Hepatite aguda ou subaguda, alterações bioquímicas hepáticas e cirrose
Anti-LKM-1

Anticitosol hepático (LC-1)
50-70%

30%
Colangite esclerosante
Em homens > 40 anos /
Síndrome colestática insidiosa
p-ANCA atípico
60-92%